Início / Pratique / Enem / Enem 2002

Enem 2002

Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos da mão direita (polegar, indicador e médio) e atiravam-no para dentro da boca.

Um viajante europeu de nome Freireyss, de passagem pelo Rio de Janeiro, já no século XIX, conta como nas casas das roças despejam-se simplesmente alguns pratos de farinha sobre a mesa ou num balainho, donde cada um se serve com os dedos, arremessando, com um movimento rápido, a farinha na boca, sem que a mínima parcela caia para fora. Outros viajantes oitocentistas, como John Luccock, Carl Seidler, Tollenare e Maria Graham descrevem esse hábito em todo o Brasil e entre todas as classes sociais. Mas para Saint-Hilaire, os brasileiros lançam a [farinha de mandioca] à boca com uma destreza adquirida, na origem, dos indígenas, e que ao europeu muito custa imitar.

Aluísio de Azevedo, em seu romance Girândola de amores (1882), descreve com realismo os hábitos de uma senhora abastada que só saboreava a moqueca de peixe .sem talher, à mão.

50) Dentre as palavras listadas abaixo, assinale a que traduz o elemento comum às descrições das práticas alimentares dos brasileiros feitas pelos diferentes autores do século XIX citados no texto.

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(B) Intolerância (não admissão de opiniões diversas das suas em questões sociais, políticas ou religiosas).

(C) Exotismo (caráter ou qualidade daquilo que não é indígena; estrangeiro; excêntrico, extravagante).

(D) Racismo (doutrina que sustenta a superioridade de certas raças sobre outras).

(E) Sincretismo (fusão de elementos culturais diversos, ou de culturas distintas ou de diferentes sistemas sociais).

Alternativa Correta

Alternativa Correta

Alternativa E: Na citação de Saint-Hilaire, encontra-se presente com mais clareza o conceito de sincretismo. Este constitui uma ideia de mistura, culturas que se fundem, no caso indígena e europeu. Quando ele afirma que eles lançam farinha à boca com uma destreza oriunda dos indígenas e que ao europeu muito custa imitar, nisto está a evidência de que se trata de sincretismo descrito pelo autor.

 

58) Michel Eyquem de Montaigne (1533-1592) compara, nos trechos, as guerras das sociedades Tupinambá com as chamadas guerras de religião dos franceses que, na segunda metade do século XVI, opunham católicos e protestantes.

( ) não vejo nada de bárbaro ou selvagem no que dizem daqueles povos; e, na verdade, cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra. (.) Não me parece excessivo julgar bárbaros tais atos de crueldade [o canibalismo] , mas que o fato de condenar tais defeitos não nos leve à cegueira acerca dos nossos. Estimo que é mais bárbaro comer um homem vivo do que o comer depois de morto; e é pior esquartejar um homem entre suplícios e tormentos e o queimar aos poucos, ou entregá-lo a cães e porcos, a pretexto de devoção e fé, como não somente o lemos mas vimos ocorrer entre vizinhos nossos conterrâneos; e isso em verdade é bem mais grave do que assar e comer um homem previamente executado. (.) Podemos portanto qualificar esses povos como bárbaros em dando apenas ouvidos à inteligência, mas nunca se compararmos a nós mesmos, que os excedemos em toda sorte de barbaridades.

MONTAIGNE, Michel Eyquem de, Ensaios, São Paulo: Nova Cultural, 1984.

De acordo com o texto, pode-se afirmar que, para Montaigne,

(A) a ideia de relativismo cultural baseia-se na hipótese da origem única do gênero humano e da sua religião

 

(B) a diferença de costumes não constitui um critério válido para julgar as diferentes sociedades.

(C) os indígenas são mais bárbaros do que os europeus, pois não conhecem a virtude cristã da piedade.

(D) a barbárie é um comportamento social que pressupõe a ausência de uma cultura civilizada e racional.

(E) a ingenuidade dos indígenas equivale à racionalidade dos europeus, o que explica que os seus costumes são similares.

Alternativa Correta

Alternativa Correta

Alternativa: B Cabe ao leitor da questão, buscar em seus conhecimentos, o significado de cultura. Partindo do pressuposto de que cultura representa tudo àquilo com que o homem se relaciona: valores, leis, crenças, religião, costumes, hábitos, bem como aquilo que ele cria e pratica em sociedade. A partir dessa compreensão, é possível dizer que nenhuma sociedade deve ser comparada a outra, por meio de juízo de valor ou quaisquer outras formas com intuito de estereotipar como mais ou menos evoluída e atributos neste sentido pejorativo ou que engrandeça uma em relação à outra. Cada sociedade tem as suas particularidades e diversidades próprias, que devem ser observadas e respeitadas naquilo que concerne à cultura própria.

 

Hagar-Navegantes

De acordo com a história em quadrinhos protagonizada por Hagar e seu filho Hamlet, pode-se afirmar que a postura de Hagar

(A) valoriza a existência da diversidade social e de culturas, e as várias representações e explicações desse universo.

(B) desvaloriza a existência da diversidade social e as várias culturas, e determina uma única explicação para esse universo.

(C) valoriza a possibilidade de explicar as sociedades e as culturas a partir de várias visões de mundo.

(D) valoriza a pluralidade cultural e social ao aproximar a visão de mundo de navegantes e não navegantes.

(E) desvaloriza a pluralidade cultural e social, ao considerar o mundo habitado apenas pelos navegantes.

Alternativa Correta

Alternativa Correta

Alternativa B: A resposta mais apropriada para interpretação dessa tirinha é a alternativa B. Ela demonstra uma visão que acredita apenas em dois lados, desprezando a diversidade e impondo uma superioridade que é a da ideologia do imperialista, da exclusividade religiosa e do racismo. Mas cabe ressaltar que a tirinha também abre um parêntese de interpretação, margem para criticar o uso do personagem como quem minimiza os navegadores e a diversidade social; na verdade, ele destaca a diversidade, quando coloca os navegantes como superiores

 

 

 

 

 

 

Sobre Priscila Cardoso

Maria Priscila (SIM! Também sou Maria). Capricorniana com ascendente em virgem = duplamente crítica, chata, perfeccionista.... Sou blogueira viciada em séries, filmes, tecnologias, redes sociais e nas horas vagas sou professora de Sociologia.

Verifique também...

Enem 2007

Não só de aspectos físicos se constitui a cultura de um povo. Há muito mais, …